Anvisa regula novo farmaco para combater a obesidade

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou o registro de uma nova droga indicada para controle da obesidade, o Belviq.

O remédio, composto de cloridrato de lorcasserina hemihidratado, é o segundo com essa indicação a ser aprovado neste ano pela agência -até então, o último registro semelhante havia ocorrido em 1998.

Segundo a agência, o medicamento é indicado como auxiliar em tratamentos que também envolvam dietas de redução de calorias e aumento de atividade física para controle do peso crônico.

O remédio, na forma de comprimidos revestidos, é indicado a pacientes com quadro de obesidade (índice de massa corporal igual ou maior do que 30 kg/m2) e alguns casos de sobrepeso, quando o paciente tem índice igual ou maior que 27 kg/m2 associado à presença de pelo menos uma doença relacionada, como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e apneia do sono.

Com o clodridrato de lorcasserina, o Brasil passa a ter quatro medicamentos disponíveis no mercado contra a obesidade -os outros são o orlistat, sibutramina e liraglutida.

Segundo a endocrinologista Maria Edna de Melo, diretora da Abeso (Associação Brasileira de Estudo da Obesidade), o novo medicamento tem mecanismo de ação diferente dos demais.

“Ela [lorcasserina] ativa um receptor específico de serotonina que fica no hipotálamo, que é o centro principal de controle de balanço energético. E lá aumenta a produção de melanocortina, [hormônio] que traz uma redução da fome. É o único medicamento que vai agir exatamente nesse receptor”, explica. “Vemos como mais uma opção, porque nem todos os pacientes respondem bem a todos os tratamentos”, afirma a endocrinologista.

Ainda de acordo com Melo, o medicamento também aparenta ter menos efeitos colaterais. Os mais comuns são dores de cabeça, boca seca e constipação intestinal, informa. “É um medicamento que tende a ser bem tolerado. Mas como nunca usamos, a prática vai nos dizer muito mais. Com o tempo, vamos avaliar”, diz.

O novo remédio deve ter tarja vermelha, sujeito à receita médica. Após a aprovação do registro, o produto deve ter o preço máximo permitido de venda definido pela Cmed (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos). No exterior, o medicamento custa cerca de R$ 400 por mês.

Além do Brasil, o Belviq já havia sido aprovado em outros países, como os Estados Unidos. O medicamento é produzido pela empresa suíça Arena Pharmaceuticals. Já a detentora do registro no Brasil é a Eisai Laboratórios, de São Paulo.

Amanha é dia de prevenção contra o Câncer de Pele Infantil

Durante todo este mês, a Sociedade Brasileira de Dermatologia vai promover o Dezembro Laranja. As atividades pretendem alertar a população para a prevenção do tipo de câncer com maior incidência no Brasil, o câncer de pele, que registra 176 mil novos casos por ano.

Neste sábado, a partir das 10h, uma equipe de médicos dermatologistas vai ofercer consultas de graça no Parque da Jaqueira, na Zona Norte do Recife. De acordo com a SBD, será o Dia de Super Proteção ao Câncer de Pele Infantil.

É a primeira vez que uma ação como essa, com foco nas crianças, acontece no Recife. Na programação, haverá contação de histórias, distribuição de filtro solar, palestras, pintura e a participação do Papai Noel Laranja e do boneco Super Protetor.

O médico explica que o dia de Super Proteção faz parte das ações da campanha Nacional de Combate ao Câncer da Pele promovida pela Sociedade Brasileira deDermatologia há 17 anos. A SBD, entidade oficialmente reconhecida pela Associação Médica Brasileira, teve atitude pioneira de conscientizar a população brasileira para o câncer de pele.

A campanha recebeu a certificação do Guinness World Records por ter realizado a maior campanha médica do mundo realizada em um único dia e a maior campanha de prevenção ao câncer da pele mundial; foram mais de 34 mil atendimentos em todo o Brasil.

SOBRE O CÂNCER DE PELE

O câncer da pele pode se manifestar como uma pinta ou mancha, geralmente acastanhada ou enegrecida, como também uma ferida que não cicatriza. A regra do ABCDE ajuda na suspeita de uma lesão maligna e sinaliza que um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia deve ser procurado.

  1. A= lesão assimétrica
  2. B= bordas irregulares
  3. C= alteração de cor
  4. D= diâmetro maior que 6 mm
  5. E= evolução ou modificação da lesão

O Ministério da Saúde dispõe de R$ 443 milhões na fabricação de farmácos biológicos

O Ministério da Saúde irá investir cerca de R$ 443 milhões por ano para a transferência de tecnologia e aquisição de cinco medicamentos biológicos. As novas Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) foram anunciadas nesta quinta-feira (8), durante a 12º reunião do Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde (GECIS), irão diminuir o custo dos medicamentos e incentivar a produção nacional.

Os novos medicamentos, que ao final do processo de transferência de tecnologia serão produzidos por quatro laboratórios públicos e sete empresas privadas, já fazem parte do rol de fármacos distribuídos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, todos biológicos representam apenas 4% da quantidade distribuída pelo SUS e 51% do orçamento da compra. Ao todo são cinco medicamentos: adalimumabe e infliximabe (artrite reumatoide); filgrastima e Rituximabe (oncológico); Samatropina (hormônio do crescimento).

Além das novas parcerias, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, anunciou o lançamento do edital para transferência de tecnologia de radioterapia. A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (8). As capacitações, que fazem parte do Plano de Expansão da Radioterapia no SUS, darão oportunidade para Institutos de Ciência e Tecnologia (ICTs) adquirirem conhecimento nas áreas de desenvolvimento e operação de softwares para planejamento 3D, softwares embarcados nos aceleradores lineares e eletronic portal imagining device.

A cooperação será com Varian Medical Systems, empresa contratada pela pasta para execução da ampliação do atendimento oncológico no País. Ao todo, cerca de R$ 500 milhões foram investidos para a aquisição de 80 aceleradores lineares, além da realização de projetos e obras. O Ministério da Saúde estuda a aquisição de outros 20 equipamentos por meio de aditivo ao contrato, firmado em 2014 para a compra dos 80 aparelhos.

Outra iniciativa é a criação de cinco grupos de trabalho para discussão de temas relevantes para o complexo industrial. Entre os assuntos estão à revisão do marco regulatório da área; tributos e relações bilaterais; planos de expansão da radioterapia; rotas tecnológicas e propriedade intelectual. As reuniões iniciam em 2017.