saude-cancer-tireoide-sinais-71369

Pessoas admitem que não se protegem dos raios solares no verão

Chega o fim do ano, todo mundo pensa logo em aproveitar o verão e conquistar uma cor mais saudável. Mas a exposição ao sol pode colocar a saúde em risco, e é preciso pensar em cuidado e proteção.

Dezembro é, também, um mês para alertar sobre a importância da prevenção – assim como o Outubro Rosa (do câncer de mama) e o Novembro Azul (de próstata). Neste mês, a cor adotada é o laranja, e o alvo da campanha, o câncer de pele. No ano passado, 176 mil novos casos da doença foram registrados no país.

O trabalho de conscientização sobre o câncer de pele já é feito há quase 20 anos no Brasil. Mesmo assim, uma em cada quatro pessoas admite que poderia se proteger melhor do sol, mas não o faz. Entre os jovens (de 18 a 29 anos), essa taxa é de um em cada três.

O levantamento “Panorama sobre Conhecimento, Hábitos e Estilo de Vida dos Brasileiros em relação ao Câncer”, feito pela Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Sboc), indicou que esse tipo de tumor é um dos mais conhecidos pelos brasileiros, sendo citado por 89% deles. A maioria dos entrevistados (83%) também reconhecia que a causa direta do câncer de pele está relacionada à exposição ao sol.

Mas um dado preocupante é que 6% da população demonstra forte resistência para adotar hábitos preventivos. Entre pernambucanos, capixabas, catarinenses e rondonienses, a rejeição atinge 10%.

A engenheira química Rosa de Lima, 55, nascida e criada em Recife, não costumava usar protetor solar no dia a dia nem para ir à praia. Até ter o diagnóstico de um carcinoma em uma pinta no ombro. Trata-se de um tipo menos agressivo de câncer de pele, mas que, se não for descoberto cedo, pode ter complicações severas.

“Retirei o sinal (como recifenses chamam a pinta) com cirurgia e, depois disso, passei a usar blusa de manga e protetor solar. Hoje falo para todo mundo se proteger e mostro a cicatriz”, contou Rosa.

Trabalhadores. Com a mensagem: “Se exponha, mas não se queime”, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) enfatiza na campanha a importância de adotar hábitos cotidianos para a prevenção. Um dos focos de conscientização é o trabalhador que se expõe ao sol diariamente.

“Quem tem histórico de exposição crônica, trabalhando sempre exposto ao sol, vai ter um risco maior de câncer de pele no futuro. É um dano acumulativo ao longo dos anos, que vai fazer diferença quando a pessoa chega aos 50 anos”, explica a dermatologista Michele Diniz, coordenadora da campanha em Minas Gerais.

O sol faz parte da vida de Nilton Oliveira, 53, mensageiro do Sindicato dos Empregados em Empresas de Prestação de Serviços em Asseio e outras categorias de Belo Horizonte, o Sindeac. Há 30 anos, ele vive em cima de uma moto ou de um cavalo – quando era policial militar – e debaixo dos raios solares.

“Passo protetor às vezes, tenho a pele negra, acredito que corro menos risco”, confessa Oliveira. Sim, as pessoas mais claras são mais propensas a desenvolver câncer, mas todos precisam de proteção, alertam os especialistas.

Oliveira sabe e destaca que o sindicato orienta os trabalhadores, principalmente os garis, que estão mais expostos, a usar filtro solar e equipamentos de proteção.

A dermatologista destaca que os casos estão aumentando, consequência da cultura antiga de não prevenir, medicamentos, que agora mostra seus efeitos. “Hoje em dia, as pessoas estão mais conscientes. O bronzeado não é mais sinônimo de uma pessoa saudável”, afirma Michele.
Mutirão. Nas campanhas preventivas da SBD, desde 1999, foram atendidas 500 mil pessoas no Brasil, cerca de 30 mil por ano, e detectados 40 mil casos de câncer de pele. Saiba mais em sbdmg.org.br.
Números. Cerca de 70% dos cânceres de pele são carcinomas basocelular, menos agressivos, tratados com cirurgia. Mas, cerca de 5% são melanomas, forma mais grave – 1.547 pessoas morreram em 2016 com esse mal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *